Retiro Ser Conduzido – dia 24

Chamados pelo nome, no fluxo da vida

João é o seu nome”

(Lc 1,63)

Esta frase é uma mensagem da gratuidade e bondade de Deus. João é um nome muito especial. Nele são guardadas muitas e importantes lembranças. De fato, o nome “Yohanan” significa “Deus se mostrou misericordioso”. João é um dom gratuito de Deus, pois está além dos cálculos humanos; por isso, pertence plenamente a Deus. Nem sempre Deus elege o tradicional, o velho costume, o caminho trilhado. Agora nasce um tempo novo: o Espírito vai por caminhos novos, que nem sempre são fáceis de conhecer.

É Deus quem toma a iniciativa e chama pelo nome. O “nome” encerra toda a verdade da pessoa e, ao mesmo tempo, todo o mistério da sua relação direta com Deus.

Na Bíblia, o nome é algo dinâmico, é um programa de vida. A troca de nome implica uma missão que deve ser realizada pela pessoa (Gn 17,5; Jo 1,42).

Um nome novo: uma aventura que começa; uma história a ser construída.

O nome é ponto de partida e de chegada na relação com Deus.

Quando Deus nos chama à vida, Ele não revela logo tudo o que quer: apenas pronuncia o nome.

A Palavra de Deus pronunciada sobre cada um de nós revela a nossa verdadeira e plena identidade.

É preciso crescer na consciência de que o próprio nome tem uma história e manifesta uma identidade única, irrepetível, original. O nome próprio está relacionado com nossa realidade pessoal, responsável, criativa e livre. Essa identidade vai sendo elaborada ao longo de nossa história pessoal com os avanços e recuos, vitórias e fracassos, as alegrias e os sofrimentos… que vão pontilhando nossa existência e formando esse ser único que somos nós.

Cada um de nós descobre ser chamado em nossa vida. O fato de sentir, em nossos desejos, que estamos insatisfeitos, cultivar aspirações sempre novas, procurar entender quem somos, o que devemos fazer, o que nos torna realmente felizes…, no fundo é um contínuo chamado pelo nome.

Deus pede a cada mergulhar no “fluxo da vida”, evitando deixar que uma só das Suas palavras, do Seu chamado, possa cair no vazio.

A dinâmica da relação com Deus passa através da minha história, das minhas alegrias, dos meus sofrimentos, e das minhas perguntas: “Quem sou eu?”, “O que quereis de mim?”.

Não posso permanecer indiferente. É preciso ter coragem de perguntar: “Quem me chama?” e “a quê me chama?”; pedir ajuda para conseguir entender, reconhecer, descobrir o próprio nome.

Deus, no momento em que me chama pelo nome, me revela a mim mesmo.

Assim, meu nome se torna a minha própria vida, o meu patrimônio existencial, a minha realidade.

A palavra “nome”, na linguagem bíblica, significa aquilo que torna a pessoa única. O nome é um símbolo que exprime a individualidade de cada um. No nome está toda a pessoa. O nome é a pessoa.

Interessar-se por conhecer o nome é interessar-se pela pessoa; é o primeiro passo para o encontro pessoal; é pelo nome que nos identificamos.

Os orientais, por exemplo, não dizem o seu nome a qualquer um. Só aos amigos, aos seus mais íntimos.

Conhecer o nome de alguém, para eles, é conhecer a pessoa toda. Fazer saber o seu nome é prova de amizade.

Cada um de nós tem um nome, que é próprio, não comum. É de uma pessoa. Ele expressa o nosso ser, indica alguma coisa a realizar, uma vocação, um apelo a responder. Somos chamados. É isso que significa ter um nome.

Nós realizaremos nossa vocação, sendo nós mesmos, com nosso modo de ser, nossas possibilidades, nossa originalidade. Ninguém a realizará por nós. Ser fiel ao nome é ser fiel à própria vocação.

Um nome, quando ouvido pela primeira vez, é apenas um “nome”. Mas, na medida em que se convive com a pessoa, o nome se torna a essência da pessoa, revela algo de essencial. No nome se espelha a experiência de uma força e de uma vontade. Pronunciado o nome, evoca-se a profundidade, o ser.

O nome é referência reveladora da verdade da pessoa. É a porta de entrada de cada história particular.

Nos nossos encontros, no primeiro dia, carregamos todos um crachá com o nome. Nós chegamos e procuramos a pessoa pelo nome escrito no crachá, até encontrá-la. Na hora em que a encontramos, nós não olhamos mais o crachá, mas levantamos a cabeça e olhamos o rosto. E o nome que, antes, era só um nome, torna-se agora a janela de um rosto, a revelação de uma pessoa. Na medida em que se aprofunda a convivência com a pessoa, maiores serão o significado e a densidade do nome dela.

Quando um nome é pronunciado, ou invocado, a “energia potencial” existente é transformada em “energia vital”. Basta dizer o nome e uma realidade pessoal se coloca diante de todos.

nomes que geram recordações, saudades, reavivam sentimentos, atualizam propósitos, despertam compromissos. Esta é a razão quando se diz que alguém “tem nome”, ou seja, uma pessoa “de nome”.

Por outro lado, “sujar o nome” significa prejudicar o caminho de alguém, com maledicências e mentiras. Zelar pelo próprio nome é abrir caminhos para encontros que efetivem a experiência de pertença e de sólida referência a Deus. Honrar o próprio nome é tornar-se servidor, pela conduta, da experiência da fé.

É preciso cair na conta de que tenho um nome, sou pessoa única e com características muito particulares. Eu tenho uma dignidade imensa: sou imagem e semelhança de Deus.

Com essas características eu devo me colocar a serviço dos outros. Meu nome secreto, Deus o conhece!… “Eu darei…

um nome novo, que ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Apc 2,17).

Deus sabe o meu nome: “Eu te gravei na palma de minha mão” (Is 49,16).

Deus nunca pode olhar Sua mão sem ver o meu nome. E o meu nome quer dizer: “EU mesmo”

Deus garante a minha identidade: posso ser eu mesmo.

Deus investiu-se a Si mesmo em cada um de nós. Colocou-se no coração de cada um de nós.

Ter recebido um nome de Deus significa tomar um lugar na história, uma missão a cumprir.

Texto bíblico: Lc 1,57-66

Retorna ao preciso momento em que Deus-Pai te criou e escuta, o nome que Ele pronunciou sobre ti. Como te chamou neste momento?

Agora, sabendo o que Deus-Pai pensa de ti, poderias descobrir o teu nome? a tua identidade?

Quais os teus “sinais digitais divinos”?

Que resposta darias de ti mesmo, agora, se um repórter te entrevistasse e te perguntasse: “Quem és tu?”

O que colocarias na tua carteira de identidade que te diferenciasse de todas as outras pessoas?

Quais seriam os teus sinais digitais mais originais?

Ser “João” é ser graça amorosa de Deus na vida e na história de tantas pess


%d blogueiros gostam disto: