Tempo de partilha

Tempo de partilha

 

“Se dirigimos todas as coisas a Deus, tudo será oração”. (S. Inácio).

 

O método do E.V.C. se apoia em dois eixos:

– a oração (seguindo as orientações para a oração de cada semana)

– a partilha (no grupo ou com o diretor espiritual).

 

A troca de impressões, tanto no grupo como na orientação pessoal, ajuda a pessoa a concretizar e a sintetizar a experiência. Permite que o método se adapte e personalize a sua maneira de ser e às suas necessidades. E, sobretudo, é uma maneira de mostrar que o CAMINHO de acesso a Deus não é simplesmente individual, senão que é necessário ter presente a dimensão comunitária.

O diretor (ou “aquele que dá os Exercícios”), é um aliado de Deus; por isso ajuda a discernir, isto é, ajuda a que o exercitante se comprometa de fato com os apelos do Senhor e rejeite os planos do inimigo. Anima tudo aquilo que no exercitante significa procura da alegria de um “mais” em amor e liberdade, e busca desmascarar as tendências que roubam essa liberdade.

O diretor é um fator continuado de estímulo para quem vai fazendo os Exercícios. Atua como um testemunho da promessa de Deus que convida o exercitante a um “mais” na qualidade de vida, isto é, a um “mais” de sentido, liberdade, amor, luz, paz, alegria… Quando o exercitante se encontra consolado, o diretor o ajuda para evitar que se acomode nessa satisfação, e lhe anuncia o “mais” de Deus, sempre novo e sempre desinstalador. Quando o exercitante se encontra desolado, o diretor se mostra acolhedor para ajudá-lo a receber a graça dessa situação, e a manter a esperança no consolo vindouro.

 

Passos para a partilha

Prepare a partilha e a entrevista com o diretor; não a improvise; ser-lhe-á muito proveitosa. Propomos a você algumas pistas:

 

  1. Dê um título à última semana.

Um título que expresse, em três ou quatro palavras, todo o conteúdo vivido.

Quê título você daria à sua semana?

 

  1. A ORAÇÃO: tanto a oração intensa, como a oração ao longo do dia.
  2. a) Como foi? De que maneira você as fez?
  3. b) Moções ou vivências principais que você teve nelas; trata-se de comunicar o sentimento que revele a percepção de uma inclinação, de um A pessoa se sente movida a este ou a outro…
  4. c) Como foi a oração à noite, ao recolher a sua jornada?
  5. d) Veja se as diversas vivências e moções convergem, tem algum denominador comum…
  6. e) Se lhe parecer oportuno leia alguns fragmentos do que foi escrito (devem ser textos breves e selecionados).

 

  1. FATOS importantes da semana que você tem vivido:
  2. a) Como os acolheu? Como você reagiu?
  3. b) Você os converteu em exercício?
  4. c) Quais foram os sentimentos e moções importantes nos diversos momentos desta semana?
  5. e) Tais fatos trazem alguma mensagem? querem expressar algo?

 

  1. Você nota que vai se realizando “o que busco” nas últimas semanas?

 

“Senhor, teu Mar é muito grande.

Nossas barcas, muito pequenas. Amém”.

(oração dos pescadores bretões).